Compreenda como funciona o sistema de escolas no Brasil

Esses problemas não podem ser inteiramente atribuídos ao fato de o Brasil ser um país pobre, com pouco dinheiro para gastar em educação. Os pesquisadores do PISA sabem que os países que mais gastam em educação tendem a ter melhores resultados nos testes, mas concluem que os resultados alcançados por países como o Brasil “estão longe de ser aluno previa “(Instituto da UNESCO para Estatística 2004b).

Os resultados brasileiros em avaliação foram os mais baixos, inferiores até mesmo aos de outros países com gastos semelhantes por aluno. A disponibilidade de professores qualificados também é um problema no Brasil. Segundo o censo de 2000, quase 40% da população tem menos de 20 anos e 31% da população está na escola.

Combinado com uma população em idade escolar tão grande e com maior frequência escolar, a escassez de professores qualificados torna-se um problema previsível. Em particular, graças à expansão da oferta de formação de professores no ensino superior e também graças à legislação recente, quase 90% dos professores do ensino secundário são agora graduados.

Escolas primárias e superiores

No entanto, nas escolas primárias e superiores, apenas 36% e 77% dos professores possuem formação universitária (IBGE, 2003). Os estudantes vão à escola de manhã, à tarde ou à noite por cerca de quatro horas. A maioria dos professores do ensino primário trabalha pelo menos duas das três sessões em diferentes escolas, enquanto muitos professores do ensino secundário que ensinam disciplinas particulares ensinam em várias escolas e sessões.

Escolas

A maioria dos professores tem um segundo emprego porque o salário de um é insuficiente. Neste sistema de rotação, os recursos da escola não estão disponíveis para os alunos fora do horário de aula e os professores têm pouco tempo para preparação das aulas e correção das cópias.

Muitos alunos e pais acham que a primeira sessão oferece melhor instrução porque os professores chegam cansados ​​nas últimas sessões. Isto é confirmado pela taxa de insucesso que é um terço mais alto para os alunos na sessão da noite. Legalmente, a escolaridade mínima anual no Brasil é de oitocentas horas.

Alunos aprendem novos idiomas

Espera-se que os alunos, a partir dos sete anos de idade, aprendam habilidades básicas de idiomas no primeiro ano, mas o grande número de feriados reduz ainda mais a quantidade de tempo gasto no aprendizado dessas habilidades básicas. Professores do ensino fundamental apontam que não é possível perder um aluno que não sabe ler e escrever, mas em tão pouco tempo, um em cada quatro alunos falha, sem surpresa na primeira série.

Apenas 70% dos jovens de 15 anos terminaram o ensino fundamental. Os estudantes que iniciam a escola sem experiência prévia de leitura acham difícil chegar na hora certa e aqueles que fracassam são obrigados a repetir todo o processo exatamente com a mesma pressa.

Os alunos seguem dez assuntos simultaneamente

Sem necessariamente reforçar suas habilidades básicas de linguagem, os alunos do ensino médio são freqüentemente avaliados por questões de múltipla escolha em assuntos que variam da sociologia à física. Apesar de todos esses problemas de qualidade escolar, os estudantes brasileiros demonstram grande interesse e envolvimento em seus estudos.

Gabarito Enem 2019

As expectativas educacionais dos estudantes brasileiros com 13 anos são notáveis, especialmente considerando a taxa média de repetência de 2,9. Aparentemente, os estudantes reconhecem as oportunidades que lhes são dadas pela educação pública e perseveram apesar das falhas e dificuldades.

Em um questionário de leitura baseado no PISA, os estudantes brasileiros estão entre os que demonstram maior interesse pela leitura, apesar do fato de que os resultados que medem suas habilidades linguísticas estão entre os mais baixos (Kirsch & al. países participantes, que muito poucas escolas têm bibliotecas ou fornecem serviços de empréstimo à habitação.

Tecnologias de informação e comunicação

Enquanto o número de escolas com computadores e o número de crianças com acesso a computadores à escola permanece pequeno, as tecnologias de informação e comunicação (TICs) desempenham um papel importante planeja melhorar a educação no Brasil.

No passado, o governo federal havia anunciado planos para conectar todas as escolas à Internet de banda larga, mas os fundos alocados para o programa de universalização de acesso a telecomunicações (FUST) estavam indisponíveis (Sorj 2004). ).

Esta entrada foi publicada em Educação. Adicione o link permanente aos seus favoritos.